Portfólio do editor em

Belo Horizonte,

Mapa do Blog | Avise Erros | Contato

COMUNICAÇÃO | SOCIEDADE | CULTURA | ESPORTE

 

CULTURA


Cultura democrática e popular Compartilhar

Mistério na Pampulha

 
Léo Rodrigues | 09/02/2009 Notícia publicada pelo jornal Boletim, da UFMG

Lagoa, Museu de Arte, Igrejinha e UFMG viram cenário de romance policial de professor da UFMG

Um cadáver boiando na Lagoa da Pampulha. Em 2004, essa ideia começou a perseguir o escritor e poeta Marcus Freitas, professor da Faculdade de Letras da UFMG. Porém, o motivo e as consequências da morte só se tornaram claros em sua cabeça recentemente, com a produção da sua primeira obra em prosa. “Sempre fiz poesia, mas há muito tempo desejava escrever em prosa. Cinco anos atrás, veio à minha cabeça a cena do corpo boiando na Lagoa da Pampulha. Esbocei algumas páginas, mas acabei deixando a ideia de lado”, conta Marcus. O resgate da imagem se deu em 2007, quando o professor se sentiu motivado a apresentar projeto para concorrer ao prêmio Petrobras Cultural.

Lagoa da Pampulha

Imagem: Cedecom UFMG / Foto: Eber Faioli / Montagem: Rita da Glória

Vitorioso na categoria literatura, o projeto transformou-se no romance policial Peixe morto, lançado pela Autêntica Editora. “No incío, tinha apenas uma visão da cena inicial do livro e não sabia nem mesmo qual seria o seu gênero. Aos poucos, percebi que o narrador era o suspeito do assassinato”, explica o escritor. Ele ressalta que esta é uma característica peculiar do seu romance policial: o ponto de vista não é do investigador, mas do suspeito, que tenta se antecipar aos fatos para provar sua inocência. Curiosamente, o suspeito é um professor de história da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich), que mantinha um relacionamento amoroso com a mulher do morto.

O cadáver era de um sujeito rico e poderoso. O leitor deparará com o desafio de identificar o autor do assassinato. Cobiça, traição, vingança... Quais teriam sido as motivações do crime? Segundo Marcus, as pistas aparecem discretamente. O suspeito, no decorrer da trama, sustentará a dúvida: ele é ou não culpado? Além disso, o passado cruza constantemente com o presente à medida que são apresentados relatos de viajantes do século 19, tema de pesquisa do professor de história. Esse trânsito temporal, em alguns momentos, contribui com a investigação do leitor, mas em outros só serve para confundi-lo e desnorteá-lo.

Lagoa noir

Como ficção, Peixe morto não tem pretensão de retratar um fato verídico, mas a construção da narrativa não está completamente abstraída da realidade. “Toda história é criada a partir das referências do autor”, diz Marcus Freitas. O melhor símbolo dessa influência é o local onde se passa a trama. É na Pampulha que Marcus mora, trabalha e passa a maior parte de seu tempo. O escritor chega a acreditar que a obra é também um romance sobre a região, pois aborda seu conjunto arquitetônico, suas ruas e bairros, a UFMG, o Museu de Arte e a Igreja São Francisco. A obra também faz menção à poluição e à importância ambiental da Pampulha, o que faz dela um verdadeiro personagem.

A atmosfera criada em Peixe morto lembra os filmes do gênero noir. O autor não esconde que o livro nasceu de uma visão cinematográfica e do desejo de ver a narrativa transposta, um dia, para as telas. Marcus Freitas é fã do estilo noir, que marca filmes como Chinatown (1974), de Roman Polanski, e Corpos ardentes (1981), de Lawrence Kasdan.

Da poesia clássica às expedições de Hartt

O belo-horizontino Marcus Freitas nasceu em 1959. Desde os 25 anos escreve poesias, tendo publicado, até agora, seis livros. Ele se diz fortemente influenciado pela poesia clássica, na qual se destacam nomes como Homero e Horácio. Em 2005, publicou No verso da canoa, coletânea de poemas produzidos desde 1993. É também autor de alguns ensaios, entre eles Hartt: expedições pelo Brasil Imperial, 1865-1878, que obteve menção honrosa, na categoria biografia, da edição 2002 do Prêmio Jabuti.

 

comments powered by Disqus

 

O EDITOR


Léo Rodrigues

Repórter da Agência Brasil, formado em Comunicação Social pela UFMG em 2010. Ex-jornalista da TV Brasil e do Portal EBC, onde também atuou como editor de esportes. Diretor de documentários cujo foco de interesse é a cultura popular, entre eles os longas "Aboiador de Violas" e "Pra fazer carnaval mais uma vez". Saiba mais

 

O BLOG


O trabalho do jornalista nunca é isento. Trata-se de um exercício constante de escolhas. Para onde apontar a lupa? De que ângulo posicionaremos a lupa? Este espaço surge a partir do interesse do editor em concentrar o seu acervo de produções jornalísticas e, ao mesmo tempo, propor coberturas e reflexões sobre comunicação, sociedade, cultura e esporte. Entenda melhor a proposta

 

QUEM É O EDITOR | PROPOSTA DO BLOG | MAPA DO BLOG | AVISE ERROS | CONTATO

Alguns direitos reservados
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário.
Permitida a cópia, redistribuição e alterações desde que se conceda os devidos créditos e mencione caso alguma adaptação tenha sido realizada.
Saiba mais como funciona a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil