Portfólio do editor em

Belo Horizonte,

Mapa do Blog | Avise Erros | Contato

COMUNICAÇÃO | SOCIEDADE | CULTURA | ESPORTE

 

CULTURA


Cultura democrática e popular Compartilhar

Blocos protestam contra exclusividade de marca de cerveja no carnaval de BH

 
Léo Rodrigues | 17/02/2017 - 21:12 Notícia publicada pelo Agência Brasil

Os cerca de 9,4 mil ambulantes que poderão trabalhar no carnaval de rua da capital mineira foram cadastrados pela prefeitura e tiveram que assinar um termo concordando com a exclusividade da patrocinadora.

Cerca de 30 blocos de carnaval de rua de Belo Horizonte se uniram a vendedores ambulantes e publicaram hoje (17) um manifesto contra a obrigação de se comercializar apenas bebidas da Ambev durante o carnaval. A empresa fechou um patrocínio com a prefeitura de Belo Horizonte e definiu os produtos que poderão ser vendidos nos blocos: três tipos de cerveja, três de refrigerante e um energético.

Os cerca de 9,4 mil ambulantes que poderão trabalhar no carnaval de rua da capital mineira foram cadastrados pela Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur) e tiveram que assinar um termo concordando com a exclusividade da patrocinadora. Em caso de descumprimento das regras, o edital prevê a perda da credencial de venda e até a apreensão dos produtos não-autorizados.

No carnaval do ano passado, polêmica parecida ocorreu em Salvador. Ambulantes também foram obrigados a vender apenas marcas de bebida de um dos patrocinadores da festa.

LEIA TAMBÉM:

  • Mulheres lançam marchinha e campanha contra assédio no carnaval de BH
  • Foliões de Belo Horizonte e Rio debatem relação entre carnaval e resistência política
  • Blocos de BH manifestam desconfiança com gestão do trânsito durante carnaval
  • Movimentos de ocupação do espaço público fizeram ressurgir blocos de rua de BH
  • Largada para o Carnaval de BH começa hoje; programação inclui 350 blocos
  • De acordo com o manifesto, "O carnaval é uma festa de resistência, gestada nos salões, nas vilas e comunidades, nas ruas da cidade desde o seu florescimento". Nesta festa, os blocos Sempre lutaram por autonomia, "elaborando um posicionamento crítico em relação à lógica empresarial e buscando ter com as vendedoras e vendedores ambulantes, que atuam na cidade durante todo o ano, sendo vítimas de perseguição e fiscalização descabidas, uma relação de parceria".

    No texto, os signatários também acusam a Ambev de fazer uso, no carnaval do ano passado, de imagens dos blocos para promover a empresa sem autorização prévia. Eles também questionam a obrigatoriedade da venda da Skol e demais marcas da empresa, uma vez que os ambulantes não terão a carteira de trabalho assinada. Conforme o manifesto, sendo uma festa pública, comerciantes tem o direito de verder o que quiserem e os foliões de consumir o que quiserem.

    "O carnaval de Belo Horizonte é feito de amor, mas também é feito de luta! Não permitiremos que a prefeitura tome qualquer decisão sobre uma festa que é do povo sem consultá-lo. Muito menos que a entregue livremente à exploração de qualquer marca ou empresa. A rua é nossa! O carnaval é nosso! E juntos resistiremos!”, finaliza o manifesto.

    A Belotur informou que o manifesto foi entregue hoje ao órgão por cerca de dez pessoas. O presidente Aluizer Malab encaminhou o documento ao jurídico, que deverá analisar a demanda apresentada e responder na próxima semana. Por sua vez, a Ambev informou que não está se pronunciando sobre o assunto.

    Debate

    Rafa Barros, integrante do Filhos de Tcha Tcha, cobra mais participação dos blocos na decisão da prefeitura de Belo Horizonte sobre o carnaval de rua da cidade, que ressurgiu nos últimos anos. "Pode ser compreensível que ela [prefeitura] precise de recursos privados dada a dimensão que a coisa tomou. O que queremos é que isso seja debatido com a cidade e que os termos também sejam discutidos, porque eles são muito mais benéficos para a patrocinadora do que para a cidade e a festa."

    Segundo Barros, uma equipe jurídica que assessora dos blocos de carnaval de rua de Belo Horizonte está analisando se há dispositivos legais que legitimem a proibição de venda e consumo de determinadas marcas na rua, em uma festa pública.

    A ambulante Renata Maciel diz que em uma festa privada é compreensível vender as bebidas apenas do patrocinador, mas questiona a restrição no espaço público. "Nossa credencial não serve para nada. Só para nos identificar. Mas ela não nos dá o direito de comercializar nosso produto. E se eu não vender, o folião vai no bar ao lado e compra. Essa proibição só afeta o ambulante. Estamos sendo prejudicados. Não somos garçonetes deles, somos trabalhadores. É a nossa fonte de renda", argumenta.

    Se a restrição for mantida, segundo Renata, muitos comerciantes vão preferir correr o risco de multa por não abrir mão de vender outras marcas de bebida nos blocos. "Muitos empresários cadastraram ambulantes e vão vender as mercadorias através deles. Não sei o que eles pensam. Mas para os comerciantes mais antigos, que estão nas ruas todos os dias e que trabalharam nos últimos carnavais, vai ser difícil cumprir essa exigência."

    Catuaba liberada

    A limitação da patrocinadora atingiu até a catuaba, bebida que se tornou um símbolo do carnaval de Belo Horizonte nos últimos anos. A proibição repercutiu tanto nas redes sociais que levou a Belotur a negociar um acordo com a Ambev para liberar a venda da bebida, feita à base de vinho tinto doce, catuaba, marapuama, guaraná e outras plantas. O produto não poderá ser vendido em garrafas de vidro.

     

    comments powered by Disqus

     

    O EDITOR


    Léo Rodrigues

    Repórter da Agência Brasil, formado em Comunicação Social pela UFMG em 2010. Ex-jornalista da TV Brasil e do Portal EBC, onde também atuou como editor de esportes. Diretor de documentários cujo foco de interesse é a cultura popular, entre eles os longas "Aboiador de Violas" e "Pra fazer carnaval mais uma vez". Saiba mais

     

    O BLOG


    O trabalho do jornalista nunca é isento. Trata-se de um exercício constante de escolhas. Para onde apontar a lupa? De que ângulo posicionaremos a lupa? Este espaço surge a partir do interesse do editor em concentrar o seu acervo de produções jornalísticas e, ao mesmo tempo, propor coberturas e reflexões sobre comunicação, sociedade, cultura e esporte. Entenda melhor a proposta

     

    QUEM É O EDITOR | PROPOSTA DO BLOG | MAPA DO BLOG | AVISE ERROS | CONTATO

    Alguns direitos reservados
    Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário.
    Permitida a cópia, redistribuição e alterações desde que se conceda os devidos créditos e mencione caso alguma adaptação tenha sido realizada.
    Saiba mais como funciona a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil