Portfólio do editor em

Belo Horizonte,

Mapa do Blog | Avise Erros | Contato

COMUNICAÇÃO | SOCIEDADE | CULTURA | ESPORTE

 

SOCIEDADE


Sociedade e democracia Compartilhar

Um plano para a Grande BH

 
Léo Rodrigues | 31/08/2009 Notícia publicada pelo jornal Boletim, da UFMG

Cedeplar coordena elaboração de proposta para orientar desenvolvimento integrado da Região Metropolitana

Conciliar progresso econômico, desenvolvimento social, sustentabilidade ambiental e redução das desigualdades socioespaciais nos 34 municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Em torno desses objetivos, estrutura-se o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado Metropolitano (PDDI), que está sendo elaborado pela UFMG por solicitação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru).

Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado Metropolitano (PDDI) está sendo elaborado pela UFMG por solicitação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru)

O acordo para sua elaboração foi selado no dia 3 de agosto, e a previsão é de que o PDDI seja concluído em novembro de 2010. A elaboração do plano envolverá recursos de aproximadamente R$ 3 milhões, oriundos do Fundo de Desenvolvimento Metropolitano (FDM), constituído por aportes do governo estado e dos municípios da RMBH.

O trabalho é coordenado pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), da Faculdade de Ciências Econômicas (Face), mas também haverá envolvimento de professores e pesquisadores de outras unidades acadêmicas como o Instituto de Geociências (IGC) e a Escola de Arquitetura. Serão realizados estudos em dez grandes áreas temáticas, envolvendo questões como transporte e trânsito, gestão do lixo, saneamento das bacias, habitação, entre outros. Os pesquisadores deverão traçar diretrizes sobre cada um desses pontos, numa perspectiva que vai até o ano de 2023.

A equipe pôs a mão na massa logo que o acordo foi assinado. “Nesse primeiro momento, estamos montando toda a metodologia e começamos a examinar os estudos já existentes sobre cada um dos temas, que poderão nos ajudar bastante”, conta Roberto Monte-Mór, professor e pesquisador do Cedeplar que responderá pela coordenação geral do PDDI. Ele será acompanhado por Marco Aurélio Crocco, colega do Cedeplar que assumiu a coordenação institucional, e por Heloísa Costa, professora do IGC que se encarregou da parte territorial. Há também coordenadores social, econômico e ambiental, além de um responsável em cada uma das grandes áreas temáticas.

No início de novembro, o governo do estado planeja realizar uma conferência metropolitana. Espera-se que, neste fórum, a equipe do PDDI apresente documento-síntese com avaliação crítica dos projetos desenvolvidos nos 34 municípios pelas variadas instâncias governamentais. Também em novembro, todo o referencial teórico básico já estará fechado, pois a partir de dezembro os estudos setoriais deverão ser aprofundados. “A tarefa é complexa. Precisamos estar atentos às formas de cooperação supramunicipal já existentes e elaborar proposta compatível com os planos diretores de todos os municípios da RMBH”, ressalta Roberto Monte-Mór.

Diálogo

Uma vez finalizado, o PDDI deverá ser aprovado pela Assembleia Metropolitana, que reúne autoridades estaduais, os presidentes das câmaras municipais e os prefeitos da RMBH. “Nos anos 70, tivemos a experiência do Planejamento da Região de Belo Horizonte, o Planbel. Era uma iniciativa unilateral, surgida no contexto do governo militar. O PDDI aposta em outra estratégia. Sua marca é o diálogo com todos os municípios e também buscaremos envolver as instituições públicas e privadas e a sociedade civil”, esclarece Roberto Monte-Mór, enfatizando que, sem a participação da população, a implantação do PDDI não terá êxito.

Além de ter sido implementado de cima para baixo, o Planbel se deu num ambiente de esvaziamento político, já que havia o receio de se manifestar. Para Roberto Monte-Mór, a sociedade atual é dotada de variados mecanismos de participação. “Aproveitando o cenário vigente, o PDDI busca fortalecer a solidariedade e construir uma consciência avançada da necessidade de cooperação. De forma isolada, pouco se resolve. Um problema ambiental ou uma grande obra afetarão municípios próximos. Os sistemas de água e de energia das cidades estão interligados. Precisamos encarar os diversos aspectos urbanos de forma intersetorial”, argumenta o professor.

Roberto Monte-Mór acredita que essa forma de encarar o planejamento urbano deverá atrair os olhares de todo o Brasil. “Nas regiões metropolitanas mais antigas, os planos são, geralmente, herança da década de 70. Pode haver exceções, mas a maioria deles foi produzida em gabinetes fechados e está defasada”, afirma ele.

 

comments powered by Disqus

 

O EDITOR


Léo Rodrigues

Repórter da Agência Brasil, formado em Comunicação Social pela UFMG em 2010. Ex-jornalista da TV Brasil e do Portal EBC, onde também atuou como editor de esportes. Diretor de documentários cujo foco de interesse é a cultura popular, entre eles os longas "Aboiador de Violas" e "Pra fazer carnaval mais uma vez". Saiba mais

 

O BLOG


O trabalho do jornalista nunca é isento. Trata-se de um exercício constante de escolhas. Para onde apontar a lupa? De que ângulo posicionaremos a lupa? Este espaço surge a partir do interesse do editor em concentrar o seu acervo de produções jornalísticas e, ao mesmo tempo, propor coberturas e reflexões sobre comunicação, sociedade, cultura e esporte. Entenda melhor a proposta

 

QUEM É O EDITOR | PROPOSTA DO BLOG | MAPA DO BLOG | AVISE ERROS | CONTATO

Alguns direitos reservados
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário.
Permitida a cópia, redistribuição e alterações desde que se conceda os devidos créditos e mencione caso alguma adaptação tenha sido realizada.
Saiba mais como funciona a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil