Portfólio do editor em

Belo Horizonte,

Mapa do Blog | Avise Erros | Contato

COMUNICAÇÃO | SOCIEDADE | CULTURA | ESPORTE

 

SOCIEDADE


Sociedade e democracia Compartilhar

Você sabe o que é um quilombo?

 
Léo Rodrigues | 20/11/2012 - 11:49 Notícia publicada pelo Portal EBC

Embora exista a referência direta ao passado escravocrata, não se tratam de comunidades constituídas apenas pelos processos de fuga. São populações que se formaram a partir de variadas situações de resistência territorial, social e cultural.

Brasília - A primeira imagem que vem à cabeça quando se fala em quilombo é, provavelmente, uma comunidade formada por escravos fugidos nos séculos 17, 18 e 19. Tal noção tem como referência automática o episódio da história tupiniquim que culminou na formação do Quilombo dos Palmares, no estado de Alagoas.

Mulheres separam sementes de dendê, na comunidade quilombola Kaonge, em Cachoeira (BA)

Mulheres separam sementes de dendê, na comunidade quilombola Kaonge, em Cachoeira (BA) | Foto: Tatiana Azeviche / Setur-BA - Creative Commons

Ali, um conjunto de rebeldes africanos e descendentes decidiu lutar pela liberdade sob a liderança de Zumbi, personagem que, no dia 20 de novembro de 1695, empresta a data de sua morte para a celebração do Dia da Consciência Negra.

Passados mais de um século da Abolição da Escravatura, já se consolidou uma nova compreensão do que foram e do que são os quilombos. Embora exista a referência direta ao passado escravocrata, não mais se tratam de comunidades constituídas apenas pelos processos de fuga. São populações que se formaram a partir de variadas situações de resistência territorial, social e cultural.

“A definição impregnada no senso comum corresponde à visão da classe dominante na época, que qualificava quilombo como fruto de um ato criminoso, marginal, avesso às regras jurídicas e ao domínio da Coroa”, avalia Lúcia Andrade.

A Constituição Federal de 1988 foi o primeiro documento legislativo que se referiu a estes povos e, para tanto, utilizou o termo “remanescentes das comunidades dos quilombos”. Esta abordagem foi motivo de profunda discussão. Segundo Lúcia Andrade, os estudos da historiografia brasileira a partir dos 80 e 90 se debruçaram sobre as temáticas da escravidão e abolição e desvendaram novas faces da resistência.

LEIA TAMBÉM:

  • Mapa dos Quilombos: a geografia da resistência
  • Lentidão marca o processo de titulação das terras quilombolas
  • Como as comunidades quilombolas podem obter a titulação de suas terras
  • Conheça a história da luta das comunidades quilombolas pela posse de suas terras
  • Em 1994, um estudo da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) dizia que “o termo [remanescente quilombola] não se refere a resíduos ou resquícios arqueológicos como alguém possa sugerir, nem se trata de populações isoladas ou homogêneas. Da mesma forma, nem sempre foram constituídos a partir de movimentos insurrecionais ou rebelados, mas, sobretudo, consistem em grupos que desenvolveram práticas de resistência na manutenção e reprodução de seus modos de vida característicos num determinado lugar”, dizia o estudo.

    Na prática, a ABA defendeu que a distinção étnica das comunidades quilombolas não seja realizada apenas através de elementos materiais ou traços biológicos distintivos, como cor da pele, por exemplo. O que as distinguem seria uma confluência de fatores, tais como uma ancestralidade comum, formas de organização política e social e elementos linguísticos e religiosos.

    Esse conceito ganhou espaço na academia e foi absorvido na construção de políticas públicas. Dessa forma, os quilombos são formados a partir de uma enorme diversidade de processos, que incluem as fugas dos escravos, mas também heranças, doações, recebimentos de terras por serviços prestados ao Estado, ocupação de territórios no interior de grandes propriedades e compra de terras após a abolição. O que caracteriza o quilombo hoje não é o isolamento e a fuga e sim a resistência e a busca por autonomia.

     

    comments powered by Disqus

     

    O EDITOR


    Léo Rodrigues

    Repórter da Agência Brasil, formado em Comunicação Social pela UFMG em 2010. Ex-jornalista da TV Brasil e do Portal EBC, onde também atuou como editor de esportes. Diretor de documentários cujo foco de interesse é a cultura popular, entre eles os longas "Aboiador de Violas" e "Pra fazer carnaval mais uma vez". Saiba mais

     

    O BLOG


    O trabalho do jornalista nunca é isento. Trata-se de um exercício constante de escolhas. Para onde apontar a lupa? De que ângulo posicionaremos a lupa? Este espaço surge a partir do interesse do editor em concentrar o seu acervo de produções jornalísticas e, ao mesmo tempo, propor coberturas e reflexões sobre comunicação, sociedade, cultura e esporte. Entenda melhor a proposta

     

    QUEM É O EDITOR | PROPOSTA DO BLOG | MAPA DO BLOG | AVISE ERROS | CONTATO

    Alguns direitos reservados
    Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil exceto quando especificado em contrário.
    Permitida a cópia, redistribuição e alterações desde que se conceda os devidos créditos e mencione caso alguma adaptação tenha sido realizada.
    Saiba mais como funciona a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil